Apresentação

O Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional – PEPI foi concebido pelo Grupo de Pesquisa em Economia Política - GEP, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio Janeiro, e foi criado em conjunto com o seu Núcleo de Estudos Internacionais – NEI, no primeiro semestre de 2008, depois ter sido aprovado pelo Conselho de Ensino para Graduados – CEPG da UFRJ e reconhecido e qualificado pela CAPES, com nota 5, no segundo semestre de 2008. A concepção acadêmica e a proposta de criação do PEPI foram produto de um longo processo de pesquisa e elaboração teórica dos professores do GEP, que começou na década de 1980, a partir de um trabalho pioneiro e seminal da professora Maria da Conceição Tavares, “A retomada da hegemonia norte-americana”, publicado na Revista de Economia Política- REP, em 1985.

Um ensaio e uma tese que serviram de ponto de partida para uma grande pesquisa internacional e comparada, sobre “a crise, as transformações e os ajustes políticoeconômicos mundiais dos anos 80”, financiada pelo PNUD e pela Fundação Ford, e realizada entre 1986 e 1990, sob a liderança do GEP, e com a participação de alguns professores do Instituto de Economia da Unicamp. O financiamento internacional da pesquisa permitiu um trabalho de campo e um estudo comparativo mais aprofundado das experiências nacionais do Japão e da Coréia, na Ásia; da Itália e da Espanha, na Europa; e do Brasil, do Chile e da Argentina, na América do Sul, culminando com um grande Seminário Internacional, sobre “A Crise e o Ajuste Mundial dos Anos 80”, realizado no Rio de Janeiro, em novembro de 1990, com a participação de representantes de todos os países envolvidos. Esta mesma pesquisa estendeu-se aos Estados Unidos, na primeira metade da década de 90, e depois se desdobrou no Brasil, de forma sistemática, por mais de uma década, dando origem à uma série editorial, que retrata plenamente, passo a passo, a trajetória da pesquisa e das idéias que estão na origem intelectual e política do PEPI.

Nestes anos de trabalho conjunto, o GEP desenvolveu um programa e um método de pesquisa internacional, que combina - de forma permanente - a pesquisa histórica das “longas durações”, com a análise conjuntural dos ciclos e acontecimentos políticos e econômicos, a partir de uma perspectiva teórica que privilegia o pensamento clássico de Petty, Smith e Marx, ao lado de Maquiavel, Hobbes, entre outros autores que nos ensinaram a pensar sobre as raízes e a dinâmica de expansão do sistema inter-estatal e do capitalismo. Depois de 25 anos, o PEPI nasce como uma derivação direta deste “programa de pesquisa”, contudo, desde o momento de sua implantação alarga suas fronteiras, incorporando as áreas de pesquisa e as disciplinas de Teoria Política e Relações Internacionais, Geopolítica e Direito, numa progressão que enriqueceu enormemente o estoque das idéias germinais mediante a interlocução de um quadro docente inter-disciplinar oriundo dessas áreas, na UFRJ. Como consequência, amplia-se o campo de pesquisa do programa, incorporando, progressivamente, os temas da integração política e cultural latino-americana, das relações diplomáticas do Brasil, e dos direitos humanos, entre outros.

Assim, o PEPI tem a proposta de divulgar os resultados de suas pesquisas e multiplicar o número de pesquisadores e docentes capazes de ampliarem o escopo da análise e da reflexão teórica brasileira, sobre a economia política do sistema internacional. Por isto sua concepção acadêmica se sustenta sobre um tripé indissociável formado pela História, a Política e a Economia. Em todas as disciplinas trabalha-se com informações teóricas e históricas consideradas indispensáveis, para uma análise política e econômica internacional que seja ao mesmo tempo sistêmica, dialética e estratégica.

Convênios

No âmbito da cooperação internacional, o PEPI vem registrando a presença sistemática de alunos de universidades europeias em intercâmbio conveniado com a UFRJ, sob a orientação de professores do PEPI. Ainda, o PEPI vem estabelecendo convênios e parcerias, registrando a presença de seus docentes e discentes em atividades acadêmicas e de intercâmbio, em diversas universidades da América Latina e do mundo:

- Universidad Nacional de Rosário (Argentina)
- Universidad Nacional de Moreno (UNM) – Argentina
- Instituto de Altos Estudos Nacionais (IAEN) (Equador)
- The Arrighi Center for Global Studies - John Hopkins University (EUA)
- Universidade Paris 3 – Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine - IHEAL  (França)
- Corvinus University of Budapest (Hungria)
- Columbia University (EUA)
- Corvinus University of Budapest (Hungria)
- Universidade de Coimbra (Portugal)
VSB – Technical University of Ostrava (Republica Tcheca)
- University of Economics de Praga (República Tcheca)
- Stockholm University – Institute of Latin American Studies (Suécia)